domingo, 8 de janeiro de 2017

Pessoal!!!
Aos amantes de vinhos franceses... Bordeaux é a maior região produtora de vinhos da França, tanto em volume quanto em valor. Sabia que os vinhos de Bordeaux apresentam estilos diferentes para cada região? E é aqui que são produzidos muitos dos melhores, mais prestigiados e caros vinhos do mundo? Confira o post e descubra se você é mais da Margem Direita ou Esquerda?

Bordeaux: Margem Direita, Margem Esquerda


Bordeaux é a maior região produtora de vinhos da França. Toda a produção está concentrada nas margens dos rios Garonne e Dordogne que juntos formam o estuário do Gironde, este corre para mar, ao noroeste. Se você estiver passando de barco nessa direção, basta olhar para a direita que vai ver a Margem Direita; para a esquerda, a Margem Esquerda.



Observe no mapa as regiões geográficas de Bordeaux. A maioria delas possuem uma AOC (Appellation d’Origine Contrôlée) que são regras (legislações específicas) que determinam quais as uvas permitidas,  métodos de cultivo, poda e colheita, rendimento das parreiras por planta, teor alcoólico, técnicas de vinificação e etc...


São muitas AOC com legislações específicas e você não precisa saber tudo isso para conseguir optar por um estilo. Vou dar algumas dicas para você. Vou começar falando um pouco sobre as uvas de Bordeaux. 

As uvas de maturação precoce (Merlot) são combinadas com uvas de maturação tardia (Cabernet Sauvignon) formando uma espécie de apólice (devido o clima e amadurecimento das uvas). Geralmente nesse blend (essa mistura de uvas) é adicionado a Cabernet Franc. Já os famosos vinhos doces são um blend de Sauvignon Blanc e Sémillon (com podridão nobre - Botrytis Cinerea).

As principais uvas tintas:
1. Cabernet Sauvignon
2. Cabernet Franc
3. Merlot
4. Malbec (ou Pressac)
5. Petit Verdot

As principais uvas brancas:
1. Sauvignon Blanc
2. Sémillon
3. Muscadelle

Outro fator importante, são as classificações. Entre as diversas classificações existentes, a mais famosa de todas é a classificação de 1855. Feita por Napoleão, que convocou o “Sindicato dos Corretores” para escolherem os melhores vinhos de Bordeaux. A classificação foi feita observando os vinhos vendidos como os "mais caros" nos últimos 100 anos. Foram classificados em: Premier Grand Crus Classé, Second Crus... Importante saber que até hoje um vinho rotulado como classificação de 1855 é um vinho sensacional! Os Premier Grand Crus Classé ainda estão entre os mais caros e prestigiados do mundo.


Vinho da Região de Margaux. Provei em uma belíssima Viagem a França

Outro ponto que ajuda muito a saber o estilo de vinho é a região a qual foi feito. Abaixo, você encontra uma lista das principais regiões de Bordeaux. Eu apreendi muito sobre esse tema no curso da ISG 2 (clique aqui para conferir) e fiz esse  breve resumo sobre o tema para a minha prova de certificação internacional. Confira o resumo:

Margem Esquerda:

Médoc: Não possui os Chateaux “Premiados”. Solo com muito mais argila e menos cascalho do que o Haut-Médoc. Vinhos tintos (apenas). Novo foco Merlot.
Haut-Médoc: Possui 6 comunas, sendo 4 as mais famosas. Solos da parte norte têm menos cascalho e mais argila que o da zona sul, por isso os vinhos ao norte tende a ser mais robustos e menos refinados.
Saint-Estèphe (Haut-Médoc): É mais ao norte e tem mais argila no solo. Nenhum Premier Cru. Dificuldade de amadurecimento da Cabernet Sauvignon. Vinhos superiores em taninos e mais ácidos. Novo foco Merlot.
Pauillac (Haut-Médoc): Mais famosa, possui 3/5 Premier Cru. Solo pedregoso, profundo e bem drenado, ótimo para reter calor e amadurecer a cabernet sauvignon. Vinhos de referência da cabernet sauvignon, com aromas de groselhas negras, grafite de lápis e cedro.
Saint-Julien (Haut-Médoc): Ponto de equilíbrio entre Puillac e Margaux. Possui cinco 2º Cru.
Margaux (Haut-Médoc): É a mais variada entre as 4 famosas. Solos diversos, mas em geral, contêm maiores quantidades de areia misturadas com cascalho (comparando com o norte). Vinho mais leve e aberto.


Típico Margem Esquerda, Margaux

Moulis e Listrac (Haut-Médoc): Comunas do interior. Solos com pouco cascalho. Estilo de vinho mais grosseiro, taninos mais firmes e maior acidez.
Graves: Perto de Bordeaux. Solos ao norte com mais cascalhos, ao sul com mais areia e argila. Produz desde a cabernet sauvignon, vinhos brancos secos a base de sauvignon blanc e sémillon, e vinhos doces. Château excepcional: Haut-Brion e Pape-Clément.
Pessac-Léognan (Graves): Duas comunas fundidas em uma. Produção de estilos variadas conforme o distrito. O Cabernet tem aromas de tabaco, minerais e terrosos, sua estrutura é leve (semelhante ao Médoc). Os brancos são o corte tradicional do Graves onde alguns produtores podem optar por fermentação/maturação em barrica.
Sauternes e Barsac (Graves): Localizadas ao sul. Produzem vinhos doces de alta concentração e leveza (pesado – estilo antigo; fresco – mais novo). Solos pesados misturado barro e cascalho. Umidade alta (névoas). As uvas podem ser afetadas pela podridão nobre (Sauvignon Blanc, Sémillon e Muscadelle). 
Loupiac e St. Croix-du-Mont (do outro lado do rio Garonne): Pequenas comunas que se baseiam no estilo do sauternes. Opção mais barata.


Vinho da Região de Saint Julien (Margem Esquerda).

Entre-Deux-Mers:

Distrito localizado entre os rios Dorgogne e Garonne. É um planalto ondulante com pouco cascalho, areia e silte acima do subsolo calcário. Faz vinhos brancos secos da sauvignon blanc, frescos, frutados, fermentados em aço inoxidável e para consumo imediato. Foco em propriedades modernas, cooperativas e tecnologia no crescimento da produção (mecânica).

Margem Direita:

Saint-Émilion: Apenas vinho tinto de predomínio Merlot. Classificação das AOC dentro dessa comuna é contestada. Possui 5mil hectares e 3 áreas distintas: o planalto de calcário e encostas ao redor da aldeia de Saint-Émilion (melhores vinhos); a pequena área de cascalho, encostas arenosas ao lado oeste (segundo melhores vinhos); e a planície arenosa, sujeita a inundação do rio Dordogne (vinho base). Seus vinhos são suaves em taninos e acidez, rico em frutas (ameixas e cerejas pretas) e teor alcoólico relativamente alto.
Pomerol: pequena, praticamente um apêndice de Saint-Émilion. Vinho Pétrus. Propriedades pequenas, produção pequena, preços elevados e qualidade pode ser irregular. Não tem AOP. Solo: planalto de cascalho e argila com subsolo rico em ferro. 
Fronsac e Canon-Fronsac: Retomando a antiga importância (novos investimentos). Localizada numa área de colinas com vista para o Dordogne de solos calcários. Canon-Frosac se encontra em um dos melhores solos de calcários vermelhos ricos em ferro, menos férteis que o de Frosac.


Vinho típico da margem direita de Bordeaux


Voltando a pergunta, Margem Esquerda ou Margem Direita?


A Margem Esquerda é mais quente, possui solo cascalho, a principal uva é a Cabernet Sauvignon de maturação tardia (vinhos são mais complexos e com mais tanino), seguida pela Merlot e Cabernet Franc. 

Já a Margem Direita é mais fria, solo argila e calcário, a principal uva é a Merlot de maturação precoce (vinhos mais frutados), seguida pela Cabernet Franc e  por último a Cabernet Sauvignon. 

A Margem Direita é menor que a esquerda, possui vinhedos menores (produção menor / mais difícil de comprar, por causa da procura) e mais propriedades. A Margem Esquerda é maior e possui mais propriedade prestigiadas internacionalmente.

Provei muitos vinhos dos dois lados e escolhi o meu estilo: Margaux. Mas enfim, qualquer que seja sua preferência, seja da Margem Direita, mais frutado,  maior acidez, frescor, menor corpo, textura mais sedosa; seja Margem Esquerda, mais profundo, austero, maior corpo, com mais tanino e maior complexidade aromática (envelhece melhor); cada um tem seu lugar e sua ocasião para serem apreciados. 


Saúde! E Bons Vinhos
Ayrton Gissoni