sexta-feira, 2 de agosto de 2019

Queridos confrades!
Esse post faz parte de uma série de postagens com o resumo para a prova de certificação da WSET 3. Espero que você possa ler e relembrar os conceitos. Qualquer dúvida, me coloco à disposição. Grande agraço e bons estudos!

Dúvidas pelo Whatsapp: 61 99902-8680 Ayrton Gissoni


CAPÍTULO 5 – O MEIO ONDE A VIDEIRA CRESCE



A videira precisa de 5 elementos para sobreviver: Calor, luz solar, água, nutrientes e dióxido de carbono. Tudo isso no crescimento, qualidade e quantidade de uvas que a videira pode ter.

A videira tem um ciclo anual: no Inverno ela permanece em repouso vegetativo, na primavera dá início ao brotamento, no verão as uvas amadurecem. No final do verão as uvas já estão maduras para a colheita. Após a colheita vem o outono, onde as folhas caem até chegar ao inverno.

CALOR: A quantidade de calor durante a temporada de crescimento é que determina qual uva poderá ser cultivada.

LATITUDE: As videiras devem estar a uma temperatura superior a 10°C e latitudes de 30° a 50°.

ALTITUDE: A medida que aumenta, a temperatura cai (exemplo Cafayate em Salta na Argentina).

CORRENTES MARÍTIMAS: Aquecem ou resfriam determinadas regiões. Exemplo: Chile e África do Sul.

NEVOEIRO: Arrefece determinada região. Exemplo: Califórnia e Casablanca no Chile.

SOLO: Solos de pedra e rocha irradiam o calor, já solos ricos em água retêm o calor da vinha.

ORIENTAÇÃO: No hemisfério norte as encostas orientadas para o sul obtêm o máximo de calor, enquanto no hemisfério sul essas encostas devem ser orientadas para o norte. Isso se precisar aumentar a quantidade de calor, como por exemplo no Mosel na Alemanha.

CONTINENTALIDADE: É a diferença de temperatura entre os meses mais frios e os mais quentes. OBS: influência de grandes masas de água faz com que se tenha baixa continentalidade (clima continental x clima marítimo).

AMPLITUDE TÉRMICA DIÁRIA: É a diferença de temperatura entre o dia e a noite. Noites frescas ajudam a abrandar a perda de aromas e de acidez nas uvas durante a maturação.


RISCOS RELACIONADOS COM A TEMPERATURA: 
INVERNO: Inverno muito rigoroso com temperaturas abaixo de 20°C podem matar a vinha.

GEADAS DE PRIMAVERA: No início da primavera se a temperatura a nível de solo ficar a 0°C pode congelar a água e matar os gomos e brotos que estão nascendo. Para evitar, se utiliza: Aquecedores, Ventiladores, Aspersores (pulveriza água) e Desenho inteligente da vinha (não plantar embaixo da encosta e utilizar uma condução alta).

A TEMPORADA DE CRESCIMENTO: As temperatura baixas na primavera podem atrasar o abrolhamento e encurtar a temporada (as uvas podem não ter tempo para amadurecerem). Se no verão a temperatura subir muito, pode abrandar a atividade da videira.


LUZ SOLAR:
O QUE UMA VINHA PRECISA: Luz para a fotossíntese.

FATORES QUE AFETAM A LUZ SOLAR: Latitude (a luz solar no verão tem mais horas quanto mais longe da linha do Equador), Mares e lagos (podem refletir a luz, ou em condições de nebulosidade, diminuir a quantidade de luz) e Orientação da vinha.

RISCOS RELACIONADOS COM A LUZ SOLAR: Luz em excesso (deixar as folhas – canópia – protegerem os cachos de queimadura) ou pouca luz, tentar utilizar as folhas para maximizar a fotossíntese.


ÁGUA:
O QUE UMA VINHA PRECISA: A videira precisa de água (a quantidade depende da temperatura – evaporação) para realizar a fotossíntese e para inchar as suas uvas durante a maturação. Se a canópia tiver folhas suficientes, limitar o suplemento de água faz com que a videira se concentre mais na maturação das uvas do que no crescimento dos pâmpanos.

PRECIPITAÇÃO E IRRIGAÇÃO: A precipitação é a mais importante, na falta dela e se a legislação permitir, podes fazer uso da irrigação: Rega gota a gota (melhor e mais cara), Rega por aspersão ou Rega por inundação (mais barata).

RISCOS RELACIONADOS COM A ÁGUA: Seca (a videira para temporariamente a transpiração), Demasiada água (continua desenvolvendo seus pâmpanos e folhas ficando menos açúcar para amadurecer as uvas e em caso de chuva perto da colheita faz os bagos incharem e dilui os seus açúcares) e granizo. 


CLIMA E TEMPO:
CLIMA FRESCO: Temperatura durante a temporada de crescimento inferior a 16,5°C.

CLIMA MODERADO: Temperatura durante a temporada de crescimento de 16,5°C a 18,5°C.

CLIMA MODERADAMENTE QUENTE: Temperatura durante a temporada de crescimento de 18,5°C a 21°C.

CLIMA QUENTE: Temperatura durante a temporada de crescimento acima de 21°C.

CLIMA CONTINENTAL: Apresenta maior diferença de temperatura entre os meses mais quentes e os mais frios. Preferência para castas que abrolham tarde e amadurecem cedo. Risco de geadas na primavera. Exemplo: Champagne e Chablis.

CLIMA MARÍTIMO: Grandes massas de água moderam a temperatura. Temperaturas frescas e moderadas e pouca diferença de temperatura entre os meses mais quentes e os mais frios. Exemplo: Bordeaux (Cabernet Sauvignon).

CLIMA MEDITERRÂNICO: Pouca diferença de temperatura entre os meses mais frios e os mais quentes. Os verões são quentes e secos. Exemplo: Mediterrâneo, Califórnia, Chile, África do Sul, Eastern Austrália.


SOLO:
COMPOSIÇÃO DO SOLO: Pedra, areia, argila e húmus.

SOLO E A ÁGUA: O ideal são solos com boa drenagem, mas ao mesmo tempo que retêm a água suficiente para o crescimento da videira.


SOLO E NUTRIENTES: Solos com a quantidade certa de nutrientes, caso contrário a videira crescerá de forma demasiada e produzirá uma canópia densa.